Cultura organizacional: uma bússola para empregabilidade

Cultura organizacional: uma bússola para empregabilidade

Acredito que quando o assunto é procurar um emprego novo, todos nós temos em mente mais ou menos os mesmos parâmetros de busca: uma vaga legal em uma empresa bacana. Se tiver benefícios, tô dentro! Mas afinal de contas, o que significa, de fato, uma empresa ser “bacana”?

Há quem diga que o emprego ideal é aquele que te oferece um plano de carreira sólido, com perspectivas de aumento salarial a curto e longo prazo. Outros, valorizam uma licença maternidade prolongada ou mesmo um vale alimentação que cubra todos os gastos. Mas a verdade é que, cada vez mais, elementos subjetivos presentes no dia-a-dia da empresa pesam na satisfação dos empregados e na realização pessoal de cada um. cultura-organizacional-uma-bussola-para-empregabilidade.jpg No fim das contas, muitas pessoas têm reconhecido que estariam dispostas a abrir mão de benefícios, ou mesmo aumentos salariais, se pudessem mudar algo em suas profissões que resultasse em um ganho de qualidade de vida, menos stress e maior tranquilidade.

O que é Cultura Organizacional?

Segundo Chiavenato, cultura organizacional é o relativo à cultura, tal como a conhecemos na sociedade, porém, aplicada a uma organização. Ou seja, diz respeito ao conjunto de hábitos e crenças vividos e compartilhados pelos membros de uma empresa, instituição ou organização.

Sendo estes hábitos e crenças criados e estabelecidos por valores, normas, atitudes e expectativas, entendemos que a cultura organizacional é, assim como a cultura de um povo, algo vivo e mutável. Algo que a cada dia se transforma, de acordo com a forma com que esses valores e normas são vividos e experimentados pelos próprios funcionários dessa organização.

A Netflix, por exemplo, baseia sua cultura organizacional em dois pilares: liberdade e responsabilidade. Eles levam esse assunto tão a sério, que você pode encontrar vários recursos online para entender em maior profundidade como esses pilares se desdobram na realidade da empresa e quais os valores, normas e atitudes que se originam a partir daí.

Netflix Culture: Freedom and Responsibility

Procure uma cultura, não um emprego

Quando o assunto é a busca por um novo emprego, entender e ter consciência da cultura organizacional de uma empresa acaba sendo uma via de mão dupla, capaz de trazer benefícios tanto para recrutadores quanto para candidatos.

Por um lado, recrutadores e profissionais de recursos humanos deverão buscar perfis que se encaixem com a cultura da empresa para aumentar as chances de êxito após uma contratação. Isso quer dizer que, durante a sua entrevista com eles, você muito provavelmente será testado para que o entrevistador entenda se seus valores e atitudes estão alinhados com a maneira com que a equipe interna se organiza.

Por outro lado, como candidato, você também pode utilizar este artifício a seu favor para buscar uma vaga que tem maior potencial de se encaixar com seus ideais de trabalho. Neste sentido, é importante ir além do discurso comercial da empresa e buscar por evidências cotidianas de que a empresa realmente pratica aquela cultura que ela diz ter. Falar com alguém que trabalha ou já trabalhou lá, é um ótimo começo.

Faça a sua parte e colha os benefícios

“Atualmente não estou buscando um emprego, ainda assim devo me preocupar com essa ideia de cultura organizacional?” A resposta é afirmativa. Afinal, definir e moldar uma cultura, seja a nível corporativo ou social, é tarefa de todos.

Se você está atualmente empregado, você pode colaborar com a sua organização, e com a cultura dela, através de boas práticas e esforços interpessoais. Alguns exemplos disso são cultivar atitudes que levem a um bom relacionamento entre funcionários, manter a organização de documentos e informação em dia, contribuir para a transferência de conhecimento entre equipes, realizar uma prática constante de feedback, etc.

Os resultados certamente serão benefícios qualitativos que poderão trazer para o seu dia a dia muito mais tranquilidade e satisfação pessoal. Além disso, a longo prazo, pessoas que se consideram mais satisfeitas em seu entorno profissional, tendem a ter um desempenho mais alto e alcançar cargos e salários maiores com o passar do tempo.

Por último, deixo aqui um post que vi no meu LinkedIn há algum tempo e acho que ilustra bem a situação:

erica

About Erica Folli

Designer de produtos digitais, serviços e rotas de ciclismo.